Punta del Este: balneário perfeito para baladeiros e casais

Eu sempre escutei falar de Punta del Este. Das praias lotadas no verão, das baladas disputadas, da fila para almoçar no La Huella e do trânsito para sair de La Barra, reduto de surfistas e baladeiros. Bom, a Punta que eu encontrei não se parece em nada com o relato acima. Primeiro porque, apesar de ser feriado de Páscoa, não fui durante a alta estação. Segundo porque a proposta da viagem era fugir do agito para relaxar com meu marido e comemorar nosso aniversário de casamento. E sabe? Adorei visitar essa Punta!

A cidade é muito conhecida por suas praias, mas não espere areia branca, mar azul e água morna. O lugar é bonito, sem dúvida, porém mais pela boa urbanização e também pela mistura do ar praiano com casas e paisagens do campo. Ah! E não importa a praia, a água é G E L A D A! Para mim, isso nem importa, pois não sou daquelas de passar horas no mar. Passear sem preocupação pela Praia Brava, a mais agitada perto do centrinho, ou ficar tranquila na Praia Mansa (que na verdade é banhada pelo Rio da Prata e não pelo mar) já fez o meu feriado valer a pena. Fora que pertinho do centro fica a marina, lugar perfeito para ver o pôr do sol e tomar um vinhozinho!

Tirando foto nos famosos Los Dedos da Praia Brava

Tirando foto nos famosos Los Dedos da Praia Brava

Como há várias praias com climas diferentes, sugiro dar uma lida nesse post que fala um pouco sobre cada uma, para ver qual se enquadra mais ao seu estilo de viagem. Nós nos hospedamos na Península, o centrinho de Punta, para podermos aproveitar a maior quantidade de lojas e restaurantes. Era bem tranquilo caminhar por lá à noitinha, quando chegávamos dos passeios.

Durante o dia, sempre ficávamos em outras praias mais distantes, que são realmente as mais bonitas. A 40 km da Península, por exemplo, está José Ignácio, um balneário com lindas casas rústicas, um belo farol e o restaurante mais disputado à beira-mar, o La Huella. Fomos almoçar lá em uma quarta-feira pré-feriado, fugindo da horda de turistas que tipicamente lota a frente do parador esperando por uma mesa. Demos muita sorte, pois geralmente é impossível conseguir um lugar sem reserva. Nós não só conseguimos um, mas ficamos em um sofá quase na areia! Uma delícia! Passamos umas boas horas lá, tomando um vinho com couvert e saboreando dois pratos maravilhosos, o peixe grelhado e os camarões salteados com batata doce (pagamos 1460 pesos – R$ 178 reais – pela garrafa de vinho, couvert e os dois pratos com gorjeta). Não dá água na boca só de olhar?

Prato delicioso de camarões do La Huella

Prato delicioso de camarões do La Huella

O Farol na outra ponta de José Ignácio

O Farol na outra ponta de José Ignácio

A praia de José Ignácio

A praia de José Ignácio

A caminho de José Ignácio fica outra praia famosa, La Barra. É só dirigir margeando o calçadão na direção norte e você logo verá a ponte ondulada onde o bairro começa. La Barra é sinônimo de fervo! Bom, pelo menos no alto verão, né? As praias mais lotadas, as baladas mais descoladas, em dezembro tudo parece ser mais cheio de gente aqui. Nessa época do ano, o que vimos foi uma praia com faixa de areia larga e o mar com um punhado de surfistas. E olha que o sol estava de rachar, viu?

A famosa ponte ondulada, início de La Barra

A famosa ponte ondulada, início de La Barra

Paisagem bucólica logo na entrada de La Barra

Paisagem bucólica logo na entrada de La Barra

Praia em La Barra, Punta del Este

Praia em La Barra, Punta del Este

Então Punta é só praia? Praticamente. E esse “só” já estaria bom demais! Mesmo assim nós fizemos um passeio cultural por lá que adoramos! O Museu Ralli tem entrada gratuita e fica um pouco escondido em um terreno cheio de árvores do chique bairro Beverly Hills (nada de criatividade no nome, eu sei). Especializado em obras de artistas latino-americanos, o museu é financiado pela organização não-lucrativa “Ralli Museums”, que não aceita doações públicas ou privadas e proíbe atividades comerciais em seu estabelecimento como livrarias e cafeterias. A ideia é atrair a atenção do público para a alta qualidade de arte contemporânea latino-americana, permitindo aos visitantes apreciarem, baterem fotos, ou filmarem as peças como quiserem.  Há uma grande variedade no estilo das pinturas e um jardim dedicado a esculturas de bronze que foi uma das áreas que mais gostamos.

Fachada do Museu Ralli

Fachada do Museu Ralli, dedicado a artistas latino-americanos

Jardim com esculturas de bronze do Museu Ralli em Punta

Jardim com esculturas de bronze do Museu Ralli em Punta

Pintura do artista brasileiro João de Souza.

Pintura do artista brasileiro João de Souza

Nossa única decepção em Punta foi tentar ver o pôr-do-sol na Casa Pueblo, o famoso hotel originalmente projetado pelo artista Carlos Páez Vilaró para ser sua casa de veraneio. A construção é realmente curiosa, parece uma casa grega da Ilha de Santorini derretida por Salvador Dali. O problema é que não dá para fazer um tour pelo hotel, o único jeito de conhecer um pedaço dele é comendo por lá, o que a maioria dos turistas prefere fazer ao entardecer. Logo na entrada, cobra-se uma consumação de 250 pesos (R$ 30) por pessoa. O restaurante parece mais uma cafeteria, com mesas metálicas “Coca-Cola” e toldos brancos envelhecidos que não protegem do sol. A comida estava ok, mas o cardápio não era nada demais. Achamos que o lugar já deve ter tido seu tempo áureo, mas agora está um pouco caído.

Casa Pueblo: estrutura por fora muito legal. Por dentro, decepcionante

Casa Pueblo: estrutura por fora muito legal. Por dentro, decepcionante.

Quer ver um pôr-do-sol realmente deslumbrante? Nós tivemos uma experiência fantástica com a Wine Experience. Queríamos marcar nosso aniversário de casamento com algo especial, então reservamos um tour exclusivo de vinhos em um dos hotéis mais famosos em José Ignácio, o Playa Vik. O Ryan Hamilton, sommelier sul africano radicado no Uruguai, é quem comanda o passeio, que começa com uma excelente explicação sobre vinhos (já fiz milhares de tours de vinhos e alguns cursos, e mesmo assim aprendi coisa nova). A noite termina com a degustação de quatro rótulos especiais harmonizados com queijos e outra comidinhas. O ápice do evento acontece durante o pôr-do-sol, quando subimos com os vinhos para ver esse espetáculo da natureza na piscina de borda infinita de frente para a praia. E aí, não é mesmo deslumbrante?

Eu e Guico no lindo Por do Sol do Playa Vik

Eu e Guico no lindo Por do Sol do Playa Vik

A piscina com borda infinita do Playa Vik fica iluminada à noite

A piscina com borda infinita do Playa Vik fica iluminada à noite

Começando a degustação de vinho. Yum!

Começando a degustação de vinho. Yum!

E assim terminou nossa passagem pelo Uruguai. Outro país pequenino que conquistou um grande pedaço do meu coração viajante. Espero poder visitar nosso vizinho muito mais vezes e conhecer ainda melhor suas praias, suas vinícolas e as pessoas simpáticas que encontramos em todo país!

OUTRAS INFORMAÇÕES:

Hospedagem: Os hotéis de Punta podem ter preços meio exorbitantes, principalmente durante o verão e feriados. Não queríamos ficar em um hostel (nada romântico, né?), mas a ideia também não era gastar uma fortuna. Acabamos encontrando o lugar perfeito, o 20 Hotel. Um hotel boutique pequeno e moderno, com quartos amplos, wifi gratuito que funciona dentro dos quartos, decoração bonita, ótima localização (pertinho da praia e da rua mais agitada de Punta com restaurantes e lojas) e um bom café da manhã com bolos, pães, croissants, frutas, cereais, frios, geleias e doce de leite, chás, cafés e sucos.

Como ir de Montevidéu à Punta: Há duas opções, alugar um carro ou pegar um ônibus que demora mais ou menos 2h e 15 minutos na Rodoviária Tres Cruces (passagem por aproximadamente 210 pesos, ou R$ 26. Veja empresas que fazem o trajeto e horários aqui). Se você puder, fique com a primeira opção. Há lindos balneários afastados do centro de Punta (ou da Barra) e vale muito a pena conhecê-los. Para alugar o carro, nós pesquisamos no site Rental Cars, onde encontramos as tarifas mais baratas (o site faz uma comparação de preços entre as locadoras, e nós ainda checamos, fazendo orçamentos individuais com cada uma).

Quantos dias ficar em Punta del Este: Três já é um bom número. Eu só não recomendo fazer bate e volta a partir de Montevidéu. A maioria das praias legais fica distante do centro e será quase impossível aproveitar uma delas antes de ter que pegar a estrada novamente (mesmo de carro demora 1h e meia – sem trânsito – para fazer o trajeto da capital até a Península).

Dirigindo pelo Uruguai: Dirigir no país é realmente fácil. As estradas são praticamente em linha reta, bem sinalizadas e com bom asfalto. Só o preço da gasolina assusta, aproximadamente R$ 4,87 por litro em Punta del Este! Ai meu bolso!

comments2

Anúncios

2 comentários em “Punta del Este: balneário perfeito para baladeiros e casais

  1. Amei o post. Fiz reserva em um hotel em Punta e agora recebi um comunicado do hotel cancelando a reserva, pois estará fechado para reforma. Pesquisei e achei o o 20 Hotel interessante. Fiquei bem feliz que vc está indicando. Vou correr e fazer a reserva. Obrigada e parabéns mais uma vez pelo execelente blog!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: