Tour pelo Salar de Uyuni: 3 dias das paisagens mais inacreditáveis que já vi

O Salar de Uyuni é considerado um dos lugares mais bonitos da América do Sul, mas em nossa lista, ele está como um dos mais bonitos do mundo. Já visitei mais de 40 países e nunca vi nada parecido com as paisagens lunares, as árvores de pedra, as lagoas de cores inusitadas, o céu refletido no chão ou as ilhas de cactos em meio à imensidão de sal.

Os detalhes dessa aventura de três dias eu conto aí embaixo e no final do texto estão todas as informações práticas para você fazer a mala e se mandar para lá também.

1º. DIA DE TOUR

Chegamos à Uyuni às 4 da matina. Estávamos bem cansados das 7 horas de estrada entre Sucre e a cidade base do Salar. Como eu contei no post com dicas sobre a viagem pela Bolívia, o ônibus não tem banheiro e sacode feito o diabo, impossível dormir! Como os tours só saem às 11h, entramos no primeiro hotel-espelunca que vimos e tiramos um cochilo.

Às 10h achamos a nossa agência, a Quechua Connections 4wd, deixamos nossas coisas e fomos tomar um café (escrevi uma avaliação completa dessa agência no fim do texto). Uns 15 minutos antes da hora marcada, voltamos para colocarmos a mala no bagageiro do carro (só levamos uma mala, deixamos a outra na agência) e finalmente seguirmos em direção à nossa aventura. Estávamos em dois carros, um levava um grupo de chilenos e o nosso levava, além do meu marido e eu, um casal de alemães e mais um casal de australianos em lua de mel (recém-casados acampando no deserto? Porque não?).

Galera gente boa do tour

Galera gente boa do tour

Nossa primeira parada foi em um cemitério de trens. No meio da paisagem árida estão várias carcaças de trens usados do final do século XIX até a grande depressão de 1930. Os trens transportavam minerais extraídos da região até o porto de Antofagasta, agora território chileno. Com o colapso do mercado mundial e a perda de uma saída para o mar, a ferrovia boliviana deu seu último suspiro e morreu ali, em meio ao Salar. O cenário de filme de fim de mundo rende várias fotos legais!

Panorâmica com parte dos trens do Salar de Uyuni

Panorâmica com parte dos trens do Salar de Uyuni

Guico e eu dentro do vagão

Guico e eu dentro do vagão

Cemitério de trens no salar

Cemitério de trens no Salar

Depois de um rápido pit stop no vilarejo Colchani, onde vimos um produtor local transformar os cristais do Salar em sal de mesa, partimos para o deserto salgado. A primeira impressão é como se o chão fosse de neve, um tapetão branco de 11 km quadrados que deixa qualquer turista boquiaberto. Logo mais à frente, pegamos as bicicletas fornecidas pela nossa agência e fomos explorar esse terreno alienígena. Entre uma forma “hexagonóide” e outra, nascentes de água comprovam o quão diferente é esse lugar. Ali aprendemos que o Salar possui uma profundidade de 120 metros composta de 11 camadas distintas, além de ser uma das maiores reservas de lítio do mundo (leia mais sobre as curiosidades do Salar na Wikipédia).

Andando de bicicleta no Salar!

Andando de bicicleta no Salar! A altitude cansa, viu?

olhando a fonte de água do Salar

Guico olhando a fonte de água do Salar

Claro que essa paisagem tão diferente atrai viajantes do mundo inteiro. No passado, os turistas podiam até se hospedar em um hotel de sal em uma das partes mais centrais do Salar. Hoje, no entanto, o estabelecimento está desativado, servindo somente para que os carros do tour possam parar e preparar o almoço. Perto do antigo hotel de sal está um grande monumento em homenagem ao Rally Dakar, que desde 2014, inclui o deserto em suas provas. É geralmente nessa parte do Salar que a galera bate as famosas fotos usando a ilusão de ótica. Nosso guia deu ótimas ideias para as poses, mas você pode inventar uma também, como nosso videozinho abaixo!

Foto com ilusão de ótica no Salar de Uyuni

Foto com ilusão de ótica no Salar de Uyuni

Monumento do Dakar

Monumento do Dakar

Terminamos o almoço com um mais que bem vindo picolé fornecido por nossos cozinheiros-condutores-guias, e seguimos em direção à Isla Incahuasi, uma ilha de 24 hectares em meio ao manto branco. Apesar do ambiente aparentemente hostil, Incahuasi possui um ecossistema interessante, com uma floresta de cactos milenares, roedores e pássaros. Dá para fazer uma curta trilha pela isla, que é repleta de fósseis marinhos e corais, da época em que o Salar ainda era uma lagoa. A entrada na ilha custa 30 bolivianos e normalmente não está inclusa no pacote do tour.

A Isla Incahuasi e sua floresta de cactos

A Isla Incahuasi e sua floresta de cactos

Floresta de cactos em Incahuasi

Floresta de cactos em Incahuasi

Para mim, a parte mais especial do dia ficou por último. Entre Incahuasi e nosso hotel em Mañica, resolvemos parar ao longo do caminho para ver o por do sol. Como estávamos na época de chuva (que vai de dezembro a fevereiro), pegamos os famosos espelhos d’água cobrindo o Salar. Os reflexos do sol e das montanhas na água criam um cenário magnífico, o por do sol mais bonito que já vi! Não há palavras para descrever, me senti em uma fantástica ópera visual.

O carro do tour procurando os espelhos de água

O carro do tour procurando os espelhos de água no salar

Jumping no Salar.

Jumping no Salar. O legal é que se virar a foto de cabeça para baixo não dá para saber qual o lado certo!

por do sol no salar

O por do sol mais bonito que já vi! A foto está sem filtro!

2º. DIA DE TOUR

É nesse dia que os viajantes que assim desejam acordam cedo para cruzar a fronteira até o Atacama, no Chile. Como nenhum dos integrantes do nosso grupo iria ao país vizinho, resolvemos mudar um pouco o roteiro para cobrir uma quilometragem maior nesse dia e acordar mais tarde na manhã seguinte, quando, pela agenda, teríamos que sair da cama por volta das 4:30 da madruga.

Depois de algumas horas de estrada, paramos para admirar o Vulcão Ollagüe e algumas paisagens fantásticas na fronteira entre a Bolívia e o Chile. De lá, mais alguns bons quilômetros de estrada de terra até mais uma paisagem de outro mundo: o sítio da árvore de pedra. Além da famosa pedra esculpida pelo vento por milhares de anos até conquistar seu formato característico, a região abriga outras formações rochosas incríveis. Sei que estou ficando repetitiva nos adjetivos, mas é que não há superlativos suficientes para descrever o Salar!

Formação rochosa "Árvore de Pedra" - Salar de Uyuni

Formação rochosa “Árvore de Pedra” – Salar de Uyuni

Outro ângulo da famosa Árvore de Pedra

Outro ângulo da famosa Árvore de Pedra

raposa no tour do salar de uyuni

Raposinha linda que vimos ao longo do caminho

Deixamos o terreno árido para trás e saímos em busca dos famosos flamingos que nessa época do ano lotam as lagoas altiplânicas. Já no povoado de San Juan, nosso primeiro pit stop, avistamos todas as espécies encontradas na região: a andina, a chilena e o james. Mas foi em nossa próxima parada que a beleza das aves ficou ainda mais explícita. Descemos do carro na Lagoa Vermelha e ficamos boquiabertos: em uma linda lagoa vermelha emoldurada por montanhas, estavam milhares de flamingos, que se alimentavam tranquilamente, despreocupados com nossa presença. O mais legal é que porque mudamos o roteiro do nosso tour, éramos os únicos carros no local. Acho que a visita em silêncio deixou o lugar ainda mais mágico!

A Laguna Colorada, como é oficialmente conhecida, ganhou esse nome devido à presença de algas que lhe conferem a coloração avermelhada. Sua beleza é reconhecida mundialmente, atraindo milhares de turistas e fotógrafos do mundo inteiro. Como essa maravilha da natureza está dentro do Parque Nacional da Fauna Andina Eduardo Avaroa, é necessário desembolsar 150 bolivianos para poder visitá-la (não incluso no valor do tour para nenhuma agência).

Chegando à Laguna Vermelha

Chegando à Laguna Vermelha

O lugar é lindo

O lugar é lindo

Outro ponto turístico bastante clicado é a Laguna Verde. Originalmente visitada no terceiro dia de tour, conhecemos esse lindo cenário e as atrações a seguir no segundo dia devido às mudanças de itinerário. A lagoa é realmente bela, mas nesse dia apresentava uma coloração mais acinzentada (o esverdeado das águas é causado pela presença de arsênico). Ao fundo está o imponente Vulcão Lincacabur (5.868 m), que tem uma forma cônica perfeita e apresenta pico de neve nos meses mais frios. Lindo, não?

A Laguna Verde com o vulcão ao fundo

A Laguna Verde com o vulcão Lincacabur ao fundo

Para refrescar depois de horas de poeira, paramos em uma piscina com águas termais. Apesar de a temperatura ambiente estar a uns 12 graus, a água estava bem quentinha. Há banheiros bem próximos à piscina para trocar de roupa. Acredite, vale levar roupa de banho e aproveitar o momento. Não só porque a paisagem é linda, mas também porque esse deverá ser seu único banho do dia (o alojamento no segundo dia tem banheiros terríveis, com somente um chuveiro pago com água fria. Conto mais sobre o caso quando falo do pacote das agências no final do texto).

Galera na piscina de águas termais.

Galera na piscina de águas termais.

Antes de voltarmos a nossa famigerada acomodação, conhecemos outro sítio arqueológico espetacular: os Gêiseres Sol de Mañana. Sim, o cheiro é bem característico de enxofre, mas o visual compensa o odor. Sentimos como se estivéssemos explorando outro planeta, realmente impressionante!

Aquele cheirinho de enxofre...

Aquele cheirinho de enxofre…

Gêiseres: parece que estamos em outro planeta!

Gêiseres: parece que estamos em outro planeta!

Famigerado ou não, depois desse dia super cheio, praticamente caímos de exaustão na cama do hotel. Com tanto lugar estonteante, o hotel para passar a noite é o de menos, né?

3º. DIA DE TOUR

Acordamos às 8:30h e começamos o trajeto de volta à Uyuni. Mesmo tendo conhecido as paisagens mais famosas no dia anterior, nosso roteiro ainda seria repleto de surpresas.

O Deserto Salvador Dali foi a primeira delas. A uma altura de 4.750 metros e com 110 km2 de extensão, o deserto impressiona pela variedade de tons avermelhados e pelas rochas “derretidas” que pintam um quadro fantástico, lembrando as obras surreais do artista espanhol.

O deserto Dali, com "pedras derretidas".

O deserto Dali, com “pedras derretidas”.

As lindas montanhas avermelhadas que cercam o Deserto Dalí

As lindas montanhas avermelhadas que cercam o Deserto Dalí

Em seguida, conhecemos uma “cidade pedra” em frente a uma lagoa, vimos mais flamingos, lhamas e alpacas, e passamos pelo Valle de Rocas, um cânion profundo com várias rochas em formatos inusitados, inclusive a de um condor.

Pedra "Condor" do Valle de Rocas

Pedra “Condor” do Valle de Rocas

Na saída para Uyuni, ainda visitamos a pequenina Vila de San Cristobal de Lipez, um vilarejo arrumadinho com uma igreja charmosa e algumas lojinhas para comprar comida (bem necessária a essa altura, já que o último dia do tour não inclui jantar). Por causa das alterações no itinerário original, chegamos a Uyuni às 16h, um pouco mais cedo que o programado (às 18h). As horas a mais foram ótimas para encontramos um hotelzinho barato para tomarmos um banho e largarmos as malas para comer uma pizza. Sem essa parada providencial, não sei se teria sobrevivido as 7 horas de ônibus capenga até Sucre.

Como eu disse lá em cima, o Salar é realmente espetacular. Um dos lugares mais únicos que já conheci. Coloquei uma porção de dicas nos posts para minimizar os perrengues de uma viagem pela Bolívia. Mas a verdade é que, mesmo se eu tivesse que passar por todos os perrengues do país, teria feito a viagem do mesmo jeito. E sim, teria valido a pena.

Eu, Guico e nosso guia da Quechua Connections

Eu, Guico e nosso guia da Quechua Connections

OUTRAS INFORMAÇÕES:

Como chegar ao Salar de Uyuni: Para quem está no Brasil, conhecer o Salar é muito fácil e barato! O voo de Guarulhos para Santa Cruz de la Sierra demora somente 2 horas e meia e há sempre promoções para voar com milhas pela GOL (gastei 12.100 pontos ida e volta). De Santa Cruz, dá para conhecer Sucre e depois pegar um ônibus ou avião até Uyuni (leia todas as dicas de roteiro, custos e outras sugestões para viajar pela Bolívia aqui).

Onde ficar: Uyuni é mais uma vila, um ponto de encontro de viajantes de todo o mundo com um único objetivo: conhecer o deserto de sal. Com aproximadamente 30 mil habitantes, não há muito o que fazer por lá. Mesmo assim, há alguns hotéis legais e outros focados mais em preço para pernoitar e recuperar as energias depois de três dias de tour.

  • Le Petite Porte – Administrado por um francês que transformou uma casa típica em um hotelzinho bem charmoso, um dos melhores da cidade (aprox. 630 bolivianos por noite para um casal). Wifi funciona bem e tem bom café da manhã.
  • La Avenida  – Para quem quer economizar, oferece quartos privados e dormitórios. Parece um hotel de beira de estrada, enorme e impessoal, mas tem camas limpas e uma ducha quente. Ou seja, é o suficiente para descansar algumas horas depois do tour antes de pegar seu ônibus de volta. Nós aparecemos lá sem reserva e pagamos 140 bolivianos para o quarto privado para duas pessoas (não aceita cartão de crédito). O wifi funcionava bem.

Como escolher uma boa agência para o tour do Salar de Uyuni: Esse item é fundamental! Ouvimos inúmeras histórias de motoristas bêbados, malas perdidas e outros contos de terror. A maioria dos viajantes chega a Uyuni de madrugada e sai cedo para negociar o tour com as agências de turismo disponíveis. Se preço for sua única preocupação, use essa estratégia e o tour sairá entre 90 e 100 dólares para os três dias. Mas lembre-se de dois pontos importantes: primeiro, o terreno do Salar é totalmente offroad (e difícil) e o sal faz altos estragos nos carros; segundo, não há nenhum hospital ou ajuda por perto. É bem comum ver carros quebrados com turistas com cara de poucos amigos pelo caminho. Você não foi até à Bolívia para isso, certo? Então melhor escolher uma agência com mais cuidado, ler as avaliações no Trip Advisor, conversar com quem já foi.

Em nossa pesquisa, as melhores agências citadas foram a Red Planet e a Quechua Connections 4wd. A Red Planet é a maior delas, com os carros mais novos. No entanto, ela tinha muitas reclamações recentes (se optar por ela, o tour de 3D/2N sairá 190 dólares por pessoa). A Quechua, em contra partida, só faz um ou dois tours por dia, com guias próprios (nada de terceirizar para outros motoristas/guias para poder vender mais passeios). Achamos menos avaliações online sobre ela, mas também nenhuma reclamação. Acabamos fechando com essa e não nos arrependemos! O José Luis e o Edgar (vulgo Chino) foram ótimos guias! Também conseguimos andar de bike no Salar, opção que só a Quechua oferece! Pagamos 180 dólares por pessoa (inclui três refeições por dia, guia, hospedagem e locomoção em 4×4 – pacote padrão oferecido por todas as agências). Não estão inclusas as entradas para duas atrações, a Isla Incahuasi e o Parque Nacional da Fauna Andina Eduardo Avaroa (respectivamente 30 e 150 bolivianos por pessoa. Devem ser pagos em espécie no local).

Os carros levam sete pessoas, incluindo o motorista. As hospedagens são simples, o que também é padrão de todas as agências. A primeira noite é a única em quarto privado. Nós ficamos em uma pousada bacaninha, com ducha quente (esse item é luxo e paga-se à parte. Desembolsamos 10 bolivianos por pessoa para não tomarmos banho frio). Essa pousada também tem parceria exclusiva com a Quechua (fica em Mañica, a cidadezinha onde nasceu o dono da empresa). A segunda noite é em quarto dormitório em um alojamento dentro do Parque Nacional, utilizada por várias agências diferentes. O banheiro é um terror, primeiro porque só tem um chuveiro sujo, com água fria e pago (15 bolivianos por 5 minutos). Segundo porque o “hostel” fica a quase 5 mil metros de altitude, o que provoca muitas dores de barriga na galera, resultando no entupimento das latrinas que já são precárias.

O alojamento do segundo dia de tour

O alojamento do segundo dia de tour

Se você não quer passar por nada disso, a única opção é pagar por um tour exclusivo de luxo. O tour exclusivo simples passa pelos mesmos lugares citados, a única diferença é que você irá sozinho (ou com seu acompanhante) no carro, desembolsando mais ou menos 1.000 dólares. Na opção de luxo, as estadias são um pouco melhores (leia-se: quarto privado e ducha quente, nada de hotel de luxo), mas o passeio custará entre 1.500 e 1.900 dólares. Ah! E em nenhuma opção – seja ela pé-rapada ou endinheirada – há wifi disponível, ou sequer uma internet discada. Serão três dias completamente “unplugged”.

Onde comer na cidade de Uyuni: No boulevard central de Uyuni há várias lanchonetes e pizzarias, algumas com wifi (sempre inconstante). No entanto, a melhor pizza da cidade é a Minuteman Revolutionary Pizza, que fica dentro do Hotel Toñito (só tocar a campainha e entrar). A pizza é feita no forno à lenha e acompanha uma salada fresquinha que você mesmo monta (vááários acompanhamentos!). O serviço é rápido e pessoal (o próprio Chris Sarage, nativo de Boston/EUA e dono do estabelecimento, muitas vezes atende as mesas). O lugar tem wifi e é muito agradável! Sem dúvida um oásis de boa comida depois de três dias de lanches no altiplano boliviano (comemos uma pizza grande com duas saladas e cerveja e gastamos 130 bolivianos, aproximadamente 50 reais).

Quantos dias são necessários para o tour: Você despencou até a Bolívia e agora quer fazer somente o tour de um dia? Óbvio que eu acho que não vale a pena. No primeiro dia você só visita as imediações do Salar. Não, nem mesmo o passeio de dois dias é suficiente! Somente no terceiro dia é que você visitará alguns dos lugares mais famosos do país, como a Laguna Verde. Você foi até lá, certo? Então faça a viagem completa!

Melhor época para visitar o Salar de Uyuni: Depende do que você espera. Muita gente aconselha não ir de janeiro a março, pois é época de chuva. Mas é justamente nessa época que você pega os espelhos d’água, como nós fizemos. Se você for no final de fevereiro em diante, verá os espelhos e também algumas partes secas do Salar, conseguindo ter ambas experiências. Entre maio e novembro a região está seca, porém de junho a setembro o inverno é extremamente rigoroso (chegando a fazer 20 graus negativos).

O que levar em uma viagem pelo Salar de Uyuni: Filtro solar, chapéu/boné e óculos escuros (o deserto queima muito, mesmo no inverno), bota de trekking ou tênis velho (ajuda muito na hora de caminhar para tirar fotos nos espelhos d’água), saco de dormir (principalmente no inverno, quando faz um frio do cão), hidratante (o sal do Salar e a baixa umidade do deserto ressecam muito a pele), pelo menos 4 litros de água por pessoa e lanches (dá para comprar em Uyuni, caso você tenha tempo. As agências não fornecem água ou lanches entre as refeições), papel higiênico (poucos banheiros fornecem e às vezes você ficará tão apertado entre um banheiro e outro que usará alguma moitinha/pedra ao longo do caminho), baby wipes (os lencinhos de limpeza para bebes provavelmente substituirão o banho no segundo dia do tour, quando o único chuveiro disponível é pago, frio e imundo), biquíni/sunga e chinelo (há piscinas naturais térmicas no meio do tour), toalha (de preferência aquela de secagem rápida comprada em lojas de aventura), dinheiro em espécie (dá para sacar em um banco em Uyuni. O dindin servirá para pagar as entradas da Isla Incahuasi e do Parque Nacional e para comprar uma eventual garrafa de água etc.), lanterna e bateria extra para máquina fotográfica (nem sempre será possível carregá-la e você não se perdoará se ficar sem fotos).

comments2

Anúncios

69 comentários em “Tour pelo Salar de Uyuni: 3 dias das paisagens mais inacreditáveis que já vi

  1. Olá. Vou em maio/2015 para lá. Estou muito ansiosa. Adorei seu post.

    • Que legal, Adriana! Leve um bom casaco (corta-vento e quentinho), já estará mais frio! Qualquer coisa é só falar, ok? bjão

  2. Oi! Acabei de conhecer o seu blog e estou maravilhada, esse ano faço 23 anos e termino a faculdade, estou procurando uma viagem barata para fazer no comecinho de 2016, então tenho algumas dúvidas de uma pessoa ignorante (quando se trata de viagens).
    Vi que o BOB está bem em conta com relação ao real, logo, a viagem deve ser barata.
    Somando tudo que você gastou para conhecer o Salar, quanto sugere levar? (como eu financiei a faculdade, vou começar a pagar agora e não posso ir pra Disney, por exemplo) e em que época do ano você foi? Quero muito ver esses espelhos d’agua!
    Se puder responder… Obrigada!

    • Oi, Gabi! Então, eu fui no final de fevereiro. Achei uma época ótima, pois pegamos os espelhos de água, mas também não estava chovendo horrores. Fora que não estava tão frio.

      Sobre sua viagem, precisava saber um pouquinho mais… Quantos dias está pensando em passar? Qual seu estilo de viagem, ficaria em albergues, ou prefere pousadinhas? Você iria sozinha? Me passa um pouco mais do que está pensando no e-mail leticia@girosporai.com.br que te dou uma mão! beijos!!!

  3. Le!!! Todas as infos que preciso estão aqui no seu blog! Super completinho! Adorei! 🙂

  4. Ola Leticia,

    Gostei muito do seu blog, bem completo mesmo. Cheguei agora a noite em Uyuni e tentei achar a agencia quechua pelo endereco da pagina deles e nao consegui. Esta avenida 15 nao existe.

    Voce poderia passar mais informacoes de onde vc os encontrou? Tambem tinha mandado dois emails para o Jose e ele nao respondeu.

    Obrigado pela ajuda.

    Um abraco,

    Osmar

    • Oi, Osmar! Eles não são tão rápidos por e-mail realmente. Eu perguntei onde ficava e fui chegando, mas talvez o jeito mais fácil é ir pela “praça” principal, passando o monumento do Dakar e continua andando, até chegar se não me engano, à Av. dos Ferroviários (é uma que tem várias estátuas de ferro). A Quechua fica lá.

      • Oi Leticia,

        Obrigado pelas informacoes. Acabou que o Jose respondeu o email e conseguimos seguir com o tour dele q foi 100%, considerando as condicoes adversas do local. Abaixo postei o email com a resposta do Jose, acredito q ajudará outros leitores do seu blog. Muito obrigado 🙂

        “Hi! Osmar, sorry for delay thanks for contacting us, we offer trip around the salt flats, but we are located in Uyuni so you should come to uyuni by bus or plane, see below the 3D2N schedule and pricing for booking this tour we need full names, nationality, passport number.

        Schedule.
        1d. Departure at 11 am, visit train graveyards, colchani salt factories, salt mines, salt hotel museum, incawasi island, pia pia island, sunset over salt flats, Mañica 1N hotel doble bed room private bathroom.
        2d. Departure at 7 am, visit ollague volcano, altiplanic lagoon, siloli desert, stone tree, red lagoon, 2 N lodge.
        3d. Departure at 5 am, visit geysers, hot spring, dali desert, green lagoon, transfer to chile or back to uyuni.
        Price: 180 usd, pp shared tour
        Size of the group 6 to 12 pax 2 jeeps, 2 drivers, 1 english speaking guide.
        Included. Meals, lodge, transportation.
        Excluded. Parks, museums entrance fees, rea 150 bs, incawasi 30 bs, shower 10 bs, bus ticket to chile 50bs, , toilets, etc….
        Bring. Sleeping bag, swiming suites, warm clothes, water, snacks, etc….

        My cellphone number is 591 72440413.

        Kind regards
        Jose”

  5. Que post salvador! Faz dias que estou procurando relatos recentes e finalmente encontrei.
    Bom, estou indo para Uyuni na mesma época que a sua, 21 – 28/02/2016, e chegarei em Santa Cruz também, mas, não pretendo pegar avião, você teria alguma dica de agência de ônibus onde eu consiga ir o mais rapido possível para uyuni? Sem muitas “escalas”?
    Achei o máximo seu post, principalmente por citar o nome das agências e hotel, entre outras dicas. Parabéns.
    Obrigado

  6. Oi Letícia! Adorei seu blog, e gostaria de fazer uma pergunta… Vou agora no final de julho e estou muito preocupada com esse tempo de viagem. Chego por Santa Cruz e vou de avião até Sucre, chegando lá 10h30 da manhã, mas pelo que vi dos horários de onibus, minha melhor expectativa é chegar em Uyuni por volta das 2 da madrugada… Vi que você chegou de madrugada também… Como é pra achar um lugar pra dormir? É perigoso? Tem taxi da rodoviária até a praça principal neste horário?

    • Dani, não há uma rodoviária em Uyuni. Os ônibus param na frente da loja da empresa de ônibus que você pegou. Uyuni é bem pequena, de lá até a “praça” principal dá para fazer a pé (nós fizemos). Se pegar o mesmo ônibus que a gente, você chegará às 4 da matina. Tudo está fechado nesse horário. Nós descemos e fomos seguindo pela mesma rua onde vimos uma plaquinha “hotel”. Entramos e pedimos um quarto para duas pessoas (tem dormitório também). Lugares assim são super simples, mas era o que precisávamos: cama e banho quente.

  7. Adorei seu post! Mto bom mesmo!!!!
    Estamos querendo conhecer uyuni ano que vem… o problema maior está sendo qual melhor época…
    Vamos para machu pichu, uyuni e atacama… queremos espelho dagua em uyuni e não queremos chuva em MP… difícil neh! Pensamos em sair de sp dia 27 de fevereiro…. oq vc acha? Qual data vc recomendaria? E pensamos em fazer machu pichu por último… diminuindo as chaves de chuva…
    oq vc acha? Mto obrigaa!Abraços

    • Que bom que gostou do post, Cintia! Que dilema de datas, hein? Olha, apesar do período de nov-mar ser de chuva em MP, uma amiga foi no começo de março para Machu Picchu e não pegou chuva. Então talvez seja melhor deixar MP por último mesmo. Boa sorte e que a viagem seja incrível!!!

  8. Parabéns!! Obrigada pelas dicas, vou agora em setembro e estou preparada pra passar alguns perengues… pq a paisagem com certeza vai compensar. Suas fotos ficaram lindas, obrigada por compartilhar esta experiência conosco 🙂 !!

  9. Olá Letícia, Bom diaaa!! Eu e mais 6 amigos vamos na próxima semana dia 20/10 para Santa Cruz de la Sierra e ainda estamos na dúvida se vamos para Uyuni ou Machu Picchu serão 7 dias, ainda não conseguir saber como poderíamos ir para o deserto. Em Santa Cruz tem agência ou precisamos apenas pegar o ônibus até Uyuni? Se puder me ajudar com sua experiência. Muito Obrigada. Deus te abençoe.

    • Juliana, não entendi direito. Você quer saber o que vale mais a pena? Se for essa a dúvida, eu iria para Machu Picchu primeiro, mas é minha opinião. Caso, você só queira saber como chegar a Uyuni, eu aconselho pegar o voo até Sucre (custa uns 50 dólares) e de lá o ônibus até Uyuni. Qualquer coisa me escreva no leticia@girosporai.com.br que nos falamos melhor. bjos

  10. Nunca tinha ouvido falar desse lugar, e esse post com certeza me deu vontade de ir! Cheguei nesse blog de paraquedas e tô amando (principalmente pelas ftos!). Cara, que lugar lindo ❤

  11. Amei o blog e a publicação perfeita do Salar!
    Irei na primeira semana de janeiro e estou morrendo de medo de não conseguir ir ao Salar. Vamos sair de San Pedro de Atacame e finalizar em uyuni.
    De lá partiremos para Lá Paz para ir a Copacabana.
    Ouviste algo a respeito, se é comum cancelarem os passeios nessa época?
    Pensei em deixar uns dias livres para caso cancelem num dia eu tenha mais chances…

    Obrigada por compartilhar!!

    • Camila, pode ser que cancelem devido ao mau tempo. Nesse caso deixaria um dia extra mesmo, para aumentar as chances de isso não acontecer! Um abraço e boa viagem!

  12. Adorei seus posts!
    Estamos pensando em ir em março de 2016, mas não sabemos qual a melhor opção: Atacama-Uyuni-Atacama, Atacama-Uyumi ou Uyuni-Atacama-Uyuni (agora que li o seu relato). Quanto tempo demorou a volta para Uyuni? Li em alguns blogs que o trajeto Atacama-Uyuni é mais curto do que o Uyuni-Atacama para a volta.

    • Oi, Simone! A maioria das pessoas só faz um sentido, do Atacama para Uyuni ou o inverso. Tudo depende das passagens aéreas que você encontra, se quiser voltar do chile, ou da Bolívia.

  13. Boa tarde, Leticia!

    Vou para a Bolívia no começo de março e farei o tour por Uyuni. Vi que é recomendado levar saco de dormir e quero saber se a recomendação é por precaução (caso não dê para pernoitar nas hospedagens do passeio), para se agasalhar mesmo nas hospedagens ou se a pernoite é ao relento em saco de dormir hehehe!
    Obrigado!

    • Olá! Então, a recomendação é pelo frio no inverno ou em lugares muito altos e pela higiene das camas (eles não trocam a roupa de cama). Nos tours, que eu saiba, não há pernoite ao relento! hehehe

      • Obrigado pelas dicas, Letícia, minha viagem pela Bolívia foi FANTÁSTICA! O tour pela Red Planet foi excelente, com motorista e guia muito profissionais e atenciosos! A agência fornece sacos de dormir, incluído no preço do tour, e como eu não queria levar daqui do Brasil, acabei optando por pagar um pouco mais por esse conforto.
        Como todos os blogs, além do teu, que li antes de ir falam que a 2ª noite do tour é horrorosa, já fui esperando qual seria a (baixa) qualidade da hospedagem, mas acabou que a Red Planet hospeda os viajantes no alojamento da Laguna Polques, onde tem a piscina termal; antes de dormir, tomamos vinho (cortesia da agência!) e entramos de noite na piscina termal. A temperatura ambiente estava em torno de 0°C, e como a água é sempre em torno de 40°C, foi uma experiência maravilhosa! A noite nas termais, observando o céu absolutamente estrelado do deserto foi definitivamente o ponto alto do passeio, adorei! A falta de ducha para banho nem foi problema, depois dessa experiência excepcional hehehe!

      • Olá Letícia! Graças aos seus conselhos de viagem, minha viagem para a Bolívia foi MARAVILHOSA! Fiz o passeio de 3 dias e 2 noites saindo de Uyuni pela Red Planet e foi uma excelente escolha da agência, com um motorista e um guia muito profissionais e bons em seus serviços. Obrigado!
        Sobre a dúvida da @realitysan, os voos domésticos da Amaszonas têm franquia de 20kg de bagagem despachada e 5kg de bagagem de mão por pessoa. Cheguei na Bolívia por Santa Cruz e peguei um voo até Sucre, super rápido e tranquilo. Se comprar os bilhetes pelo site da empresa, é necessário que um dos passageiros seja o titular do cartão e é preciso apresentar, na hora do check-in no aeroporto, o cartão de crédito que foi usado para fazer a compra; portanto, lembre-se de levar o cartão na viagem, sem isso não é possível embarcar. Como é meio demorada a validação do bilhete, é bom estar com mais de 1h de antecedência, para evitar contratempos. No aeroporto Joya Andina, em Uyuni, quando você embarca é preciso pagar a taxa aeroportuária em dinheiro, num balcão no aero (depois do tour por Uyuni, peguei um voo até La Paz); acho que essa taxa é de 11 bolivianos, salvo engano. O aero de Uyuni é pequeno e bonitinho, mas por algum motivo houve uma queda no sistema da Amaszonas na hora de despachar a bagagem e por muito pouco não perdi o voo; eu recomendaria estar com muito mais do que 1h de antecedência, parece que essas quedas no sistema são comuns em Uyuni (em Santa Cruz e La Paz não tive problemas).
        Novamente, obrigado pelo seu post e pelas dicas, Letícia!

      • Que bom que o post ajudou! Fico muuuuito feliz! Essa necessidade de mostrar o cartão de crédito acontece em todas as cias aéreas lá… Obrigada pelo comentário e bora planejar mais viagens! 🙂

    • Oi Jux, você poderia me passar como foi seus dias no salar pela red planet e se vc lembra qual o nome do guia?? Meu email é duda_stelle@hotmail.com

      Obrigada desde ja

      maria Eduarda

  14. Amei seu post e vou aproveitá-lo no planejamento da minha viagem. Nós iremos de Uyuni pro Atacama, vc sabe se o tour saindo de Uyuni nos deixa em San Pedro ou é preciso contratar um serviço extra? muito obrigada!

    • Oi, Valéria! Então, depende do tour. Tem que negociar com as agências. A que eu usei deixava no chile, mas não sei exatamente em que cidade.

  15. Ótimas dicas e lindas fotos! Já li em alguns blogs as pessoas sugerindo levar mochila de acampar ao invés de mala… como estarei numa viagem maior, preferiria levar uma mala (pequena)… como o deslocamento é feito de carro e eles nos levam até o local de hospedagem, queria saber se, mesmo assim, você tb considera a mochila uma melhor opção…

    • Obrigada, Renata! Eu leve uma mala híbrida, que tem rodinhas, mas pode virar uma mochila, caso necessário. Mochilas são mais fáceis de serem acomodadas no bagageiro dos carros (as malas vão empilhadas em cima), por isso pedem por isso. Mas acredito que uma mala pequena e mais maleável (sem ser aquelas duras, de plástico), pode funcionar.

  16. Ótimo blog e tudo realmente muito completo. Tanto que eu nem queria incomodar, mas, de fato, o e-mail que há na página Quechua está retornando com erro (quechuaconnection4vvd@hotmail.com). Por favor, poderiam confirmar se é esse o endereço? Muito obrigado!

      • É 4wd (quatro dáblio dê) e não 4vvd (quatro vê vê dê) ali no endereço…

    • Obrigado, meus caros.
      O endereço é esse mesmo (parece que são dois “v”, mas, já tinha um W ali. Acredito que o problema seja mais por conta de uma ligeira incompatibilidade entre o Yahoo e o Hotmail, já me aconteceu isso antes. Fechei com a Quechua e passei a usar o Gmail para entrar em contato com eles. Novamente, obrigado!

  17. Oi Leticia, tudo bem?! estou com uma duvida… reservei o hotel de sal Luna Salada por 3 noites, periodo que vou ficar em uyuni. Vc sabe se tem como fazer esses passeios de 3 dias ficando no nosso proprio hotel? Ou se da para fazer todos esses passeios sendo diarios, indo e voltando ao hotel todos os dias? obrigada!

  18. Oi Leticia! tudo bem? Queria tirar uma duvida, a tour termina em San Pedro ou tem a opção de voltar a La Paz?

    • Oi, Gustavo! Desculpa a demora em responder, mas estou viajando com acesso limitado à internet! Teria que ver com a agência escolhida, mas a que usamos a opção era deixar à fronteira do Chile, não em San Pedro! Bjooo

    • Olá, Gustavo! Creio que há um equívoco aí: o tour parte de Uyuni e não de La Paz (que fica muito distante de Uyuni).
      Então, as opções são: terminar o tour em Uyuni ou na fronteira com o Chile de onde se pega uma van até San Pedro de Atacama.

  19. Olá, adorei todas as dicas. Eu não falo espanhol e nem inglês, queria saber se teria dificuldades em fazer essa viagem? O hotel é pago em dólar? Em Uyuni tem como trocar o real por dólar e boliviano?

    • Olá, Etiane. Falando português bem devagar você já se vira. Nada é pago em dólar, ou é moeda local, ou é no cartão de crédito. Eu não troquei real por bol em Uyuni (não vale a pena trocar por dólar), troquei em Sucre, então não saberia lhe dizer. Um abraço e boa viagem!

  20. Olá! Estou planejando uma viagem para Bolívia para o comeco de 2017 e queria saber com que compania aerea voce viajou, porque a mais barata que achei era 60.000 pontos para ida e volta! E pelo que voce disse a sua foi 12.100! Muito bom seu texto sobre sua viajem! Ajudou muito!

    • Oi, Lala! Eu fui pela Gol. De vez em quando eles têm milhas promocionais para lá, principalmente para membros do Clube Smiles, do qual faço parte. Um abraço e boa viagem!

  21. Olá pessoal, estou planejando ir para SPA em março, depois para Uyuni e após para Santiago, data prevista de chegada 08/03 em SPA.

  22. Oi Letícia, muito bom seu blog, parabéns! Minha maior dúvida no momento é como levar dinheiro para a Bolívia. Vc consegue seguiu pagar a agência ainda no Brasil, antes da viagem? Não gostaria de usar cartão de crédito por conta do IOF. Vc acha perigoso levar em espécie? Vale mais a pena trocar real por boliviano ainda no Brasil ou na Bolívia mesmo?
    Agradeço desde já!!

    • Oi, Gabriela! Não vale a pena usar cartão de crédito na Bolívia, não só pelo IOF, mas porque poucos lugares aceitam. O melhor é levar reais e trocar nas casas de câmbio do centro das cidades maiores (fuja das casas de câmbio no aeroporto), Santa Cruz, La Paz, Sucre etc.

  23. Letícia, parabéns pelo blog!! A clareza das informações, dicas detalhadas, suas fotos… Tudo perfeito.
    Estou planejando uma viagem de moto com mais dois amigos e pretendemos passar pelo Salar de Uyuni. Teria alguma dica específica para um tour de moto por lá? Será que vale a pena negociar com a agência e acompanhar o carro da empresa pelo Salar?
    Obrigado!

    • Oi, Fabio! Então, já escutei falar muito de motoristas sozinhos que ficam desorientados no salar e se perdem. Eu apostaria em acompanhar uma empresa… E também porque há lindas paisagens fora do Salar, um pouco mais afastadas. bjos!

      • Letícia, muito obrigado pela atenção e parabéns pelo blog mais uma vez!

  24. OI, Leticia, parabéns pelo blog!
    vou chegar a SPA em junho (fico 4 dias) e pego um passeio de 3 dias para o salar. Porém, de uyuni pretendo ir para La paz de aviao mas estou com medo de comprar essa passagem só de ida agora porque náo sei como funciona esse passeio do salar. teria que estar na cidade de uyuni no terceiro dia…alem disso não sei se sai passeios todos os dias para o salar.
    voce consegue me dar alguma luz?

    • Oi, Fabiana! Pelo menos quando eu fui, os passeios saíam todos os dias. Os passeios chegam à Uyuni entre 16h e 18h do 3o. dia.

  25. Olá!! Parabéns pelo blog! Amei!!
    Vou na última semana de julho e estou amando ler seu blog! Beijos e continue escrevendo!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: