4 dias no festival de vinho da Ilha da Madeira, o jardim à beira mar de Portugal

Antes de qualquer coisa, eu preciso dizer: quatro dias não são suficientes para visitar Madeira. Se você está planejando uma viagem para lá e também para a parte continental de Portugal, aloque pelo menos 6 dias inteiros para a ilha, ou você irá se arrepender. Não acredita em mim? Então eu explico o porquê.

Madeira é só um pequeno ponto no mapa mundi, mas seus 742 km2 parecem ainda maiores por conta de sua geografia montanhosa. Nada na ilha é em linha reta e se você quiser conhecer algo além da capital Funchal, terá que alugar um carro, ou agendar um tour. O curioso é que todas as agências locais de turismo oferecem os mesmos pacotes: a parte oeste da ilha (destaque para Porto Moniz) sai às segundas, quartas e sábados; a parte leste (que inclui seu terceiro cume mais alto, o Pico Areeiro) sai aos domingos, terças e sextas; e a visita ao Curral das Freiras, mirante famoso mais ao centro, só sai às segundas e sextas. Como os passeios duram quase um dia inteiro, só para conhecer as paisagens mais legais você precisará de pelo menos três dias.

Piscina natural de Porto Moniz

Piscina natural de Porto Moniz

Vista do Curral das Freiras

Olhando o Curral das Freiras láááá embaixo

Vale a pena ver tudo isso? Sim, vale. Madeira é simplesmente magnífica, com montanhas íngremes e esverdeadas abraçadas pelo mar, onde todo metro quadrado de terra é transformado em uma horta, jardim ou parreiral. Cada parte da ilha tem uma atração diferente e imperdível. O passeio a oeste passa por Câmara de Lobos (município de pescadores), Cabo Girão (lindo observatório com chão de vidro que dá um super frio na barriga), o mirante Encumeada (dá para avistar os dois lados da ilha), Porto Moniz (onde tem um clube com uma piscina natural ligada ao mar – 1,50 euros para entrar) e outras vilas (passeio por 25 euros/pessoa com a agência mais barata que encontramos, a Floratravel). O tour ao Pico do Areeiro visita outros mirantes espetaculares até chegar ao terceiro pico mais alto da Madeira (que no inverno pode até ter neve no cume), com 1.818 metros de altitude e uma vista de tirar o fôlego (leve um casaco e prenda o cabelo, pois venta muuuito. 25 euros/pessoa com a Floratravel). Já a visita ao Curral das Freiras (17,50 euros/pessoa com a Floratravel) encanta pela beleza do vale espremido entre montanhas altíssimas, onde antigamente as freiras de Funchal se estabeleceram para fugir dos piratas. Apesar de o curral ser lindo, a atração mais procurada desse passeio é outra: a parada no Monte, uma colina que tem uma atração bem peculiar.

Baía de Câmara dos Lobos

Baía de Câmara dos Lobos

Vista do mirante da Encumenda

Vista do mirante da Encumenda

Lindo roseiral que conhecemos na Quinta do Arco

Lindo roseiral que conhecemos na Quinta do Arco

Não importa se você sobe até o Monte de táxi, de teleférico (10 euros/pessoa somente de ida, 15 euros ida e volta), ou com um tour, a maneira mais legal de descer é em uma espécie de carrinho de rolimã. Os “carros de cesto do monte”, como são conhecidos, datam de 1850, quando não existiam veículos em Madeira. Dois homens vestidos de branco e chapéu, lembrando os gondoleiros de Veneza, guiam um trenó de vime com apenas dois lugares e sem rodas por uma ladeira de 2 km em cerca de 10 minutos (30 euros para duas pessoas). Não há opção “sem emoção” nesse caso, principalmente porque existem cruzamentos bem no meio da rota. Não se preocupe, os caras sabem o que fazem! A brincadeira termina no ponto final que não fica ao pé do monte, mas dali até Funchal são apenas 15 euros de táxi. Você pode achar caro desembolsar 45 euros entre o passeio e o translado para um casal, mas te digo, cada centavo foi bem aproveitado.

No teleférico de Madeira

No teleférico de Madeira

Os "gondoleiros" dos cestos de vime do monte

Os “gondoleiros” dos cestos de vime do monte

Transporte ladeira abaixo com emoção

Transporte ladeira abaixo com emoção

Como não tínhamos três dias livres, ou não faríamos mais nada em Madeira, optamos por conhecer a parte oeste com uma agência e combinamos os outros dois passeios em um tour exclusivo com um motorista de táxi. Fizemos essa excursão personalizada em nosso último dia, quando já teríamos que pagar um translado até ao aeroporto, o que por si só custaria entre 30 e 40 euros. Por 100 euros, passamos o dia com o Renato, um madeirense gente-boa que sabe tanto quanto qualquer guia turístico. O preço incluia a ida até o aeroporto, então se esse não for o seu caso, o valor será bem mais baixo. O legal é que conseguimos ver tudo sem ficarmos cansados e ainda economizamos (os dois passeios para o casal com uma agência sairia 84 euros, adicionando pelo menos 30 euros até o aeroporto, pagaríamos 114 euros por pacotes engessados). O valor cobrado pelo Renato é por viagem, aumentando ainda mais o custo-benefício para um grupo de quatro pessoas (coloquei o contato do motorista no fim do texto para quem se interessar).

Paisagem ilha madeira

É cada paisagem!!!

Outra vista linda na ilha da madeira

Outra vista linda na ilha

Além das visitas cênicas, Madeira tem um centro histórico em Funchal que é bem bacana. Cheio de casas e lojas com portas pintadas e poemas nas paredes de fora, o gostoso é caminhar pelas ruelas de pedra e sentar em um dos charmosos barzinhos ou restaurantes para tomar uma poncha (um drinque feito com vinho madeira e frutas) e beliscar um bolo do caco (pão de alho achatado típico da região). Outros pratos famosos são a espetada (o mais próximo ao nosso churrasco), a lapa (um marisco delicioso preparado com azeite) e, para sobremesa, um bolo de mel (que leva melado, amêndoas e frutas cristalizadas) degustado com vinho madeira ou uma queijada (minha preferida!) com café.

Portas coloridas do centro histórico de Funchal

Portas coloridas do centro histórico de Funchal

É no centro também que fica o Mercado dos Lavradores, decorado com painéis de azulejos e com o colorido das tendas de frutas. Aproveite para provar o fruto delicioso (que tem gosto de abacaxi e consistência parecida com a banana), o tabaibo (sabor que lembra a pêra com sementes de goiaba) e as muitas variedades de maracujá. Uma dica: se puder, deixe para visitar o mercado na sexta-feira, quando há uma maior quantidade de produtores.

Fruta Tabaibo

Fruta Tabaibo

O chamado Fruto Delicioso

O chamado Fruto Delicioso

Produtos do Mercado dos Lavradores

Produtos do Mercado dos Lavradores

Além dessa comilança toda, consideramos imprescindível visitar um produtor de vinho madeira para conhecer melhor a gastronomia local. A Blandy’s, que fica ao lado do escritório de turismo em Funchal, é uma ótima opção, não só por ser uma das marcas mais tradicionais, mas também por estar abrigada em um prédio histórico que já foi um hospital, um asilo e uma prisão. O tour explicativo é curto e interessante e inclui uma degustação de duas variedades, além de 10% de desconto para compras na loja (5,50 euros/pessoa). Como era a semana do festival do vinho, a empresa ainda oferecia outras atividades bacanas, como uma visita às vinícolas (paga), pisa da uva (gratuita), música folclórica (gratuita), degustação de bolo de mel (gratuita), entre outras.

As variedades de uvas mais conhecidas para o vinho madeira

As variedades de uvas mais conhecidas para o vinho madeira

Na Blandy's esperando o tour

Na Blandy’s esperando o tour

A Festa do Vinho Madeira geralmente acontece na primeira semana de setembro, com degustações, eventos folclóricos, música e barraquinhas no calçadão da Rua Arriaga (a principal de Funchal) e comemorações animadíssimas nas vilas interioranas, inteiramente decoradas com flores de papel e bandeirolas. Para saber quando são as festas nas outras freguesias, dê uma passadinha no escritório de turismo assim que chegar, ou pergunte a algum morador local. Os madeirenses são naturalmente muito simpáticos e acessíveis e sempre ajudam os turistas (em sua maioria vovôs britânicos, mas todos são bem tratados. Rs.)

Música folclórica da Ilha da Madeira

Música folclórica da Ilha da Madeira

Fazendo a pisa da uva!

Fazendo a pisa da uva!

Vila decorada para festival de vinho da Madeira

Vila decorada para festival de vinho da Madeira

Passamos mais tempo em Madeira do que em qualquer outra cidade portuguesa, e ainda assim, fomos embora com a sensação de que só ficamos algumas horas. O clima quente, as pessoas próximas, o festival animado, as belezas naturais, o litoral não explorado na ilha vizinha, a boa comida… Tudo pedia mais tempo. Posso dizer que, ao buscar as malas para ir embora, entendi perfeitamente o pedaço de uma música estampada em uma parede do centro antigo:

“Pareces uma princesa

Que nos deixas nostalgia

Quem te viu já, de certeza

Vai voltar outro dia

Te leva no coração

Tua beleza, inebria

Madeira, és uma paixão.”

OUTRAS INFORMAÇÕES:

  • Hospedagem em Funchal: Ficamos no Apartamentos São Paulo e Alegria, um apart hotel de três estrelas próximo ao calçadão de Funchal. O quarto era amplo e incluía uma pequena cozinha. O café da manhã tinha pães, geleias, frios, vários tipos de cereal, frutas, suco, chás e café. Na recepção, o Sr. José está pronto para ajudar com mapas da cidade e boas dicas. A camareira Isabel foi um anjo e nos ajudou a lavar as roupas que ficaram impecáveis (a diária do quarto ficou em 40 euros).
  • Contato para tour personalizado de táxi: Renato Gomes, renatomagrinho.rg@gmail.com, (+351) 968 868 397/ 915 575 423. Em português, espanhol ou inglês.
  • Praias na Ilha da Madeira: Apesar de ser uma ilha, as praias de Madeira não são legais para banho. Há somente duas com areia importada de outros lugares para tapar os pedregulhos naturais. O melhor balneário dos madeirenses fica em Porto Santo, a ilha vizinha que também faz parte do arquipélago português, acessível a duas horas de barco (sai do porto em Funchal) ou de avião. Nós não fomos, mas geralmente as pessoas pegam o primeiro barco (às 8h) e voltam no último (por volta das 18h), já que não há muito o que fazer na ilha (a maioria dos restaurantes fecha às 22h). O ticket ida e volta do ferry fica em 50 euros na baixa estação e 60 euros para a alta.
Praia Machico com areia importada

Praia Machico com areia importada

Como a maioria das praias são em Madeira

Como são a maioria das praias são em Madeira

 

comments2

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: