Arte de rua e viagem, tudo a ver!

Pedi ao artista Rodolfo Lima em Curitiba que criasse um desenho inspirado nas “descobertas feitas em uma viagem.” O lindo resultado está aí em cima. Gostei tanto desse trabalho, que resolvi escrever um post sobre expressões artísticas não tradicionais que encontramos muito em viagens, a chamada “arte de rua”.

Quando circulamos pelas ruas e avenidas de um novo destino, muitas vezes temos a oportunidade de encontrar exemplos da arte visual mais pública que existe, o grafite. Grafiteiros, ou “escritores”, como preferem ser chamados, dizem que sua obra não é um trabalho de arte identificável como outros mais tradicionais: “o grafite é a arte do anonimato, da rua, feito espontaneamente,” conta Graphis, um escritor muito atuante no país, com mais de 12 anos de portfólio.

Independente do gosto pessoal de cada um em relação a essa expressão artística, o grafite tem uma longa história, estando muitas vezes conectado com momentos sociais e políticos conturbados, como na queda do muro de Berlim, ou, mais recentemente, na demonstração da revolta contra a copa no Brasil.

A palavra vem do italiano graffiti, plural de graffito, usada desde o Império Romano para representar “marcas ou inscrições feitas em muros.” Apesar de os primeiros esboços do grafite terem sido encontrados em 1851 em ruínas romanas na Pompeia, a arte só se popularizou mundialmente a partir do movimento da contracultura de maio de 1968, quando os muros de Paris foram palco de inscrições de caráter poético-político.

Jean Michel Basquiat, um dos grafiteiros franceses participantes, despertou a atenção da imprensa nova-iorquina em 1970 ao deixar mensagens poéticas nas paredes dos prédios abandonados de Manhattan. Depois da divulgação da imprensa de NY, surgiram grafiteiros americanos que no início só praticavam o tagging, o ato de escrever o próprio nome em muros e paredes, conhecido (e abominado) no Brasil como pichação.

Hoje, pichação e grafite são considerados coisas muito diferentes. Enquanto o primeiro é um ato de vandalismo que enfeia a cidade, grafitar é uma arte que pode usar desenho, escrita e pintura para revitalizar e conferir uma nova identidade aos espaços públicos. O verdadeiro grafiteiro é apaixonado, qualificado, voltado para a comunidade e a estética urbana, imprimindo sentimentos coloridos às telas de concreto espalhadas pela cidade. Não acredita? Veja os exemplos abaixo de vários países diferentes.

Amsterdam, Holanda

A arte de rua em Amsterdam é praticamente intrínseca à cidade. Prova disso são os vários tours especializados, onde um grafiteiro profissional leva grupos para fazerem um turismo alternativo através dos murais coloridos da capital holandesa (alguns deles: Getty Our Guide e Alltournative Amsterdam).

Há tempos o governo municipal tenta descriminalizar essa forma artística, criando oportunidades legais e locais para grafitar, promovendo grafiteiros famosos como artistas aceitos pela sociedade, encomendando murais pagos, promovendo exposições e, finalmente, adquirindo os trabalhos mais interessantes para serem expostos em museus. Nos últimos anos, vários museus de renome, como o Noord Brabants em Hertogenbosch e o Museu Kröller-Müller em Otterlo, exibiram peças de grafiteiros locais.

Passeando por Amsterdam e admirando os grafites

Passeando por Amsterdam e admirando os grafites

Arte do "escritor" Karma

Arte do “escritor” Karma

Capturei esse poema no carnaval desse ano

Fotografei esse poema no carnaval desse ano

Granada, Espanha

Estive em Granada em dezembro de 2012 e achei os grafites da cidade ricos em detalhes, poéticos e ousados! Os melhores lugares para achá-los são na Rua Cuesta del Caidero, que desce a colina do Alhambra no Realejo, e no bairro Albaicín. Assim como em Amsterdam, há tours de grafite, que levam o viajante para conhecer a arte de rua local. Bem legal!

Ah! E para quem não sabe, a capa do meu livro, Uma Volta, Volver!, é uma foto de um grafite que encontrei em Granada. Veja abaixo, tudo a ver com um livro sobre como dar a volta ao mundo, não? Se você está viajando pela Espanha, aproveite para olhar o site do Street Art Utopia que tem um catálogo de desenhos incríveis em diversos muros do país.

capa do livro Uma Volta, Volver!

capa do livro Uma Volta, Volver!

Grafite psicodélico

Grafite psicodélico

Mural em Granada, artista Cheko

Mural em Granada, artista Cheko

...esse dá medo!

…esse dá medo!

Miami, EUA

Ainda não fui a Wynwood, o bairro cool de Miami que contém mais de 70 galerias, museus e ateliês, mas está na minha lista de viagens.

Vendo o movimento intenso das ruas do bairro, você quase não acredita que a região estava totalmente degradada há alguns anos. Foi somente depois do projeto de revitalização de Tony Goldman e Jeffrey Deitch em 2009, que o local se transformou em um museu de arte ao ar livre, com obras dos mais famosos grafiteiros internacionais.

Para encontrar o bairro: Wynwood está localizado ao norte do centro de Miami, delimitado pela NW 36th Street (ao norte), NW 20th Street (ao sul), I-95 (ao oeste) e NE 1st Avenue (ao leste).

wynwood 3

Referências japonesas

wynwood

Mural cheio de sentidos e sentimentos

Wynwood David Walker

Forte expressão no mural de Wynwood (artista David Walker)

wynwood2

Arte moderna de rua em Wynwood

Brasil

Em 1999 o Rio de Janeiro lançou a campanha “Não Piche, Grafite,” projeto que reuniu 35 escritores para mostrar a diversidade de estilos locais. Desde então, essa expressão artística tem crescido na cidade. Os murais mais interessantes estão em Santa Tereza, Laranjeiras e ao redor do Jockey Club (perto do Jardim Botânico).

São Paulo é ainda mais reconhecida por sua arte de rua. Em parte por artistas paulistas como Os Gêmeos (os irmãos Otávio e Gustavo Pandolfo), cujas famosas peças evocam inquietantes ilustrações de livros infantis. Por lá, há o famoso Beco do Batman na Vila madalena, que é sempre reutilizado como canvas urbano pelos grafiteiros, e outros trabalhos muito bacanas dispersos pela cidade.

Murais no Jardim Botânico. Grafite Rio.

Murais no Jardim Botânico. Grafite Rio.

Painéis variados em Santa Tereza. Grafite Rio.

Painéis variados em Santa Tereza. Grafite Rio.

menino copa

Famoso grafite sobre a revolta com a Copa (RJ).

BRA_SP-William-Amaro-Costa

Painel em São Paulo, artista William Amaro Costa

Bra_SP2-L7m

Grafite em SP, artista L7m

 

OUTRAS INFORMAÇÕES:

  • Se você curte grafite e gosta de aproveitar suas viagens para explorar esse tipo de arte, o site Fat Cap oferece um tipo de catálogo mundial, mostrando vários painéis em cada país/cidade, bem como o nome do escritor em questão.

comments2

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: