Oaxaca, no coração do México

Image

À noite, Oaxaca parece feita de luz. As ruas de pedra refletindo a iluminação baixa para pedestres, as sacadas iluminadas das fachadas históricas, os feixes coloridos dançando nas paredes da catedral enquanto caminhávamos de volta para o hotel. A sensação era conhecida e sintomática: eu tinha me apaixonado pela cidade.

Fui pega de surpresa. Quando li sobre “a cidade do interior com grande legado indígena” não pude imaginar o colorido das construções, a vida dos cafés, a gastronomia complexa, o movimento nas ruas até tarde. Não sei o que esperava, mas com certeza não esperava gostar tanto da ex-terra dos Mixtecas e Zapotecas, hoje capital de um dos estados mais pobres do país.

Essa pobreza com certeza é só material, pois a mistura de tradições e etnias produziu um caldo cultural riquíssimo, facilmente comprovado ao mergulharmos na gastronomia local, que misturou elementos da exótica culinária mexicana pré-hispânica com os exageros barrocos dos tempos coloniais para criar pratos únicos de fama internacional. Há tanto o que degustar em Oaxaca, que sua viagem pode acabar virando um tour inteiramente gastronômico.

As opções são inúmeras. No mercado da Rua 20 de Novembro, pode-se provar grilos fritos e tejate, uma bebida à base de cacau, canela, milho e outros ingredientes, tomada há mais de 4 mil anos na região. Na Casa Crespo e em lojinhas na esquina do mercado com a Rua Mina, a especialidade é o chocolate, feito com chiles e especiarias. Há também uma série de restaurantes refinados que fazem uma releitura mais moderna de elementos tradicionais. O La Biznaga oferece ótima “cozinha mestiça” em um pátio colonial disputado por moradores e turistas. Já no La Olla, a cozinha é adaptada com elementos orgânicos e mais saudáveis, porém não menos saborosos. É lá, inclusive, que acontece um dos cursos culinários oaxaqueños mais disputados. Por 75 dólares, você passa um dia inteiro com a chef, das compras no mercado municipal, ao preparo e consumo de pratos típicos.

Image

Guico comprando chocolate mexicano

Image

Mercado Rua 20 de Novembro

Para harmonizar tanta comida boa, todos fazem shots de uma bebida exclusivamente mexicana… Tequila? Não, mezcal! Enquanto sua prima mais famosa é feita somente de agave azul, o mezcal pode ser produzido de várias variedades. Porém, é no processo de produção que as diferenças são mais visíveis. Para a fabricação de tequila, a planta é cozida lentamente em fornos a vapor ou em grandes panelas de pressão industriais (chamadas autoclaves) até que todo o amido seja convertido em açúcares. Já na produção de mezcal, a agave é assada ​​em fornos subterrâneos aquecidos com carvão, conferindo à bebida seu sabor defumado diferenciado. Após passar pelo forno subterrâneo, a planta é esmagada (tradicionalmente por um cavalo em uma roda de moagem) e depois desfiada para extração do suco doce resultante, conhecido como aguamiel. Existem inúmeras receitas para fabricação de mezcal, que utilizam não só diferentes espécimes da planta, como também frutas, condimentos e até peito de peru (meu tipo favorito).

Nosso tour pelas destilarias da capital mundial do mezcal, Santiago Matatlán, foi um capítulo à parte. O Alvin, nosso guia e connoisseur reconhecido de Mezcal (mezcalier), transformou o passeio em uma apaixonante viagem pela história local, regada, é claro, a muita bebida. Em vez de nos levarmos às fábricas grandes e comerciais, passamos por destilarias artesanais e familiares. Além de aprendermos sobre o processo tradicional de fabricação, conhecemos paisagens, pessoas, histórias. Por si só, Alvin já é um personagem e tanto. Ex-advogado canadense de sucesso, abriu um bed & breakfast com a esposa em Oaxaca e desde então tem sido um embaixador do mezcal. Sua história de vida é mais um lembrete de que nunca é tarde para fazer o que se gosta.

Image

Fabricação Mezcal

Image

Moagem da agave para fazer mezcal

Competindo com a gastronomia pelo título de “razão número 1 para visitar a cidade”, está um dos sítios arqueológicos mais famosos do México: Monte Albán. Sobre uma colina a dez quilômetros de Oaxaca, estão antigas construções zapotecas datadas entre 500 e 800 A.C. Monte Albán foi a primeira cidade do continente americano, chegando a ter 35 mil habitantes. Mesmo depois de seu abandono pelos zapotecas, outros povos continuaram a usar seus edifícios por pelo menos mais mil anos. As ruínas estão muito bem preservadas e incluem um museu com os artefatos ali encontrados. Mesmo assim, agende um tour com guia para melhor compreender os fatos históricos e importância de cada construção. Recomendamos também uma visita ao Museo de Las Culturas de Oaxaca, anexo à belíssima Igreja de Santo Domingo, no centro antigo (57 pesos). Organizado em ordem cronológica, dos povos antes de Cristo até a atualidade, é mais fácil de compreender como as civilizações pré-hispânicas influenciaram as tribos indígenas da região. A visita ao museu também é um ótimo jeito de fugir do calor escaldante à tarde, quando caminhar pelas ruas é sinônimo de fazer sauna.

Image

Monte Albán: nessa “cancha” os zapotecos jogavam seu esporte

No final do dia, assim que o sol der uma trégua, a pedida é passear pela zócalo, sempre cheia de vida e acontecimentos, como os shows de música que presenciamos pelos 481 anos da cidade. Outra boa opção é caminhar pelas ruas Alcalá e Garcia Virgil, que têm lojinhas, restaurantes e bares mais bonitinhos. Para comprar presentes, a Casa de Las Artesanías e a La Plaza (uma do lado da outra na rua Matamoros) oferecem lembrancinhas a preços mais em conta, e você ainda ajuda a população local, já que os dois lugares são cooperativas. Já na Javier Servin, loja de um artista oaxaquenho mais famoso, você encontra artesanatos mais elaborados, com lindos objetos para decorar a casa.

Achamos Oaxaca um daqueles lugares com a mistura exata para viajantes: cultura, arquitetura bonita, gastronomia premiada, atividades de aventura, vida noturna. Para mim, a cidade deixou um sabor único, uma receita perfeita entre o novo e o antigo, os restaurantes modernos e as tendinhas de comida tradicional, entre a história das culturas milenares e a busca por mudanças. A verdade é que a cidade pulsa no interior do país, imprimindo sua marca cheia de vida em viajantes desavisados como nós.

Image

Igreja de Santo Domingo

Image

Ruas de Oaxaca

 

OUTRAS INFORMAÇÕES:

  • Oaxaca é pronunciado “Uarraca.”
  • Tour de Mezcal: 150 dólares (casal) por 6 horas de passeio personalizado. Contato através do www.casamachaya.com.
  • Cursos de Culinária: Geralmente das 10 às 14 horas. Casa Crespo, 65 dólares/pessoa. La Olla, 75 dólares/pessoa.
  • Tour guiado para o Monte Albán: 207 pesos (150 do passeio + 57 do ingresso para o sítio arqueológico).
  • Táxis: da rodoviária até o centro: 60 pesos, do centro ao aeroporto: 150 pesos.
  • Ficamos no Hotel Parador San Andreas, que é mais uma pousadinha simples (54 dólares a diária pelo site Agoda, tem quartos amplos, porém não oferece café da manhã ou ar condicionado). O atendimento é excelente, mas é melhor buscar outras opções caso luxo/conforto for imprescindível.

comments2

Anúncios

2 comentários em “Oaxaca, no coração do México

  1. Várias experiências diferentes em uma só cidade! E para terminar, ainda engraxaram o meu sapato na praça central!!

  2. Pingback: Praias Mexicanas de Yucatán: Cozumel, Playa del Carmen e Isla Mujeres | Giros Por Aí

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: