Um final de semana em Milão, Itália

Quando a maioria das pessoas pensa em Milão, a primeira palavra que vem à cabeça é moda. Não é para menos. Ainda no avião dá para perceber o quanto a indústria está conectada com a cidade. Em vez dos tradicionais clipes sobre culinária, pontos turísticos ou artistas locais, o vídeo da Meridiana Airlines passava uma espécie de propaganda de modelos. “Bianca Balti.” (Clipes da modelo em algumas passarelas). “Nascida 19 de março de 1984.” (Mais ensaios da modelo). “Signo: Peixes.” (Close up da modelo com cara sexy). “1,76 metros. Busto: 65. Cintura: 57. Quadril: 75.” (Mais fotos). “E Bianca é italiana. Agência IMG models.” Depois de alguns clipes parecidos de várias modelos, cheguei a conclusão que Gisele Bündchen (capa da revista italiana que eu carregava na mão), Isabeli Fontana e o resto do mulherio famoso do Brasil devem estar tirando o sono das beldades italianas, a ponto das modelos se juntarem e fazerem um comercial tipo “comprem produto nacional.”

O clima de metrópole fashion continuou quando saí do ônibus na Praça San Babila, que fica no meio de duas avenidas que fazem parte do Quadrilatero D’Oro, a área de compras mais famosa (e cara) da cidade. E como estamos em Milão, é claro que o meu hostel, o Ostello Bello, também teria que ser chique, né? Durante o check in ganhei um coquetel para relaxar, cortesia da casa. Depois de guardar minhas coisas, desci para o salão central, todo decorado com pinturas modernosas, para conhecer uma outra paixão dos milaneses: o aperitivo. Apesar de aperitivo ser o nome dado a bebidinhas que abrem o apetite, na Itália, e especialmente em Milão, o nome virou um tipo de happy hour. Você paga por um drinque (no hostel, somente 4 ou 5 euros, dependendo da bebida) e pode se servir do buffet de comidinhas livremente. É praticamente um jantar, com pastinhas, torrada, saladas, frios e massas. Tudo por uns módicos trocados. Já vi que teria problemas em deixar o hostel durante à noite.

Image

Noite “aperitivi” no albergue

Apesar de Milão ter bem menos monumentos que Roma, a cidade não é feita só de passarelas. O Duomo todo em mármore, por exemplo, é um dos mais majestosos da Europa. E olha que eu já vi alguns! Por cinco euros você consegue literalmente subir no telhado e apreciar uma vista magnífica da Piazza del Duomo. Depois que a paisagem cansar, dá para visitar a Galleria Vittorio Emanuele II, também na piazza. Além das lojas e cafés famosos, a estrutura da galeria é grandiosa, com um pé direito altíssimo e teto de vidro. Tem ainda o Castello Sforzesco, onde há um museu interessante com obras de arte italianas (e o bilhete custa somente 3 euros, uma pechincha em Milão) e os milaneses também falarão para você visitar a Piazza della Scala, uma praça bonitinha, onde fica uma das óperas mais famosas da Itália, o Teatro alla Scala, ou simplesmente La Scala. Infelizmente a ópera estava fechada quando visitei, então só pude tirar foto da outra atração bem mais mixuruca do local, a estátua de Leonardo da Vinci.

Image

O belo duomo de Milão

Image

Galeria Vittorio Emanuele II

Muita gente também vem à cidade para admirar A Última Ceia de Da Vinci, em exposição na Igreja Santa Maria delle Grazie. Só que para ver essa obra, é preciso agendar com antecedência (não tinha mais vaga para o mês de novembro) e pagar quase 23 euros, ou seja, ficou para uma próxima viagem. Visitada essas atrações, Milão ainda oferece algumas igrejas e tal, mas nada muito convincente para enfrentar o vento gelado que veio passar o final de semana com a gente. O jeito é mesmo ficar perambulando pelas avenidas chiques e passar algum tempo na Navigli, a região dos canais da cidade com restaurantes e mercados suficientes para gastar algumas horas.

A vida noturna por aqui também é muito rica, mas para frequentar a maioria das baladas concorridas você também tem que ser. O traje é a la top model, com drinques a 12 euros e entrada de 20 a 50 euros. Passei na frente de algumas, mas acabei mesmo voltando para a noite de aperitivi e música do hostel.

Meus 24 dias de Itália passaram rápido. O país é tão apaixonante quanto eu imaginava e meu fascínio parece ter só aumentado. Ainda quero voltar e conhecer melhor a Sicília e visitar a Sardinia no verão, aproveitando também para revisitar alguns lugares preferidos e conhecer a Pompeia e a costa leste italiana que acabaram ficando para trás. Não importa quanto tempo eu passe em alguns lugares, com o espírito de querer conhecer a fundo uma cultura, cinco dias ou mesmo um mês nunca serão suficientes. No fundo, sinto que adoraria morar na Itália por um tempo, mas talvez não fosse uma decisão sensata. Pelo menos para minha conta bancária, que em Milão passaria diretamente para o caixa de algumas lojitas.

Image

lojas famosas

 

comments2

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: