Tá, e como faz para dar a volta ao mundo?

Minha decisão de viajar pelo mundo nasceu de uma epifania no meio do caótico aeroporto de Congonhas. Pode parecer que o lugar incentivou a viagem, mas eu particularmente acho que a confusão aérea de São Paulo incentive mais pessoas a saírem correndo do que voando.

Na verdade, minhas decisões sempre brotam assim, de repente. Posso estar absorvendo sentimentos e analisando uma situação por muito tempo, mas se uma ideia aparece claramente, já era. Considere-a feita.

Isso não quer dizer que colocar os sonhos em prática não dê trabalho. Dá, mas eu descobri que geralmente o processo nunca é tão cabeludo quanto pensamos. Seu plano pode ser viajar pelo mundo, perder 30 quilos, mudar de cidade, trocar de profissão, aprender hipismo, tudo na verdade é meio parecido. A primeira coisa a fazer é sempre dar um passo na direção do que se quer, buscando informação.

Quando eu decidi viajar, a tarefa de sair pelo mundo parecia grande demais. Vou conseguir juntar dinheiro? Como saber o que fazer nos países? E vistos e vacinas? E segurança? Como ir de um lugar para o outro? O que fazer depois? Uma lista de questões filosóficas e outras completamente mundanas precisavam ser respondidas, mas até então eu não conhecia ninguém que tivesse feito algo parecido.

Eu só tinha a minha vontade. Com ela, dei o primeiro passo para a viagem RTW (Round the World como é mais conhecida esse tipo de viagem na net): comecei a guardar dinheiro. Eu não tinha noção de quanto uma viagem dessas custaria, mas sabia que minha conta corrente não cobriria nem a passagem. Mesmo se a ideia não vingasse, eu disse para mim mesma, pelo menos teria mais dinheiro no banco!

Comecei analisando minhas finanças e virei a muquirana mais orgulhosa de Curitiba. Nietzsche tinha razão, “quem tem por que viver aguenta qualquer como.” Não foi nenhum sacrifício cortar algumas baladas, encontrar os amigos em restaurantes e pedir só bebidas (eu jantava em casa), caminhar em vez de pegar o carro para ir à padaria, cozinhar mais (e chamar os amigos), e deixar a casa mais arrumada para cortar dois dias pagos de faxina. O meu objetivo dançava na minha frente. Toda vez que um amigo insistia para que eu gastasse cem reais para ver sei-lá-qual-DJ, eu só via minha vontade.

Enquanto minhas economias iam ficando menos esquálidas, fui perguntando ao oráculo Google todo tipo de questão. É realmente inacreditável a quantidade de informação útil e específica nos fóruns de viagem (coloquei algumas no final desse texto). Não há nada que não se descubra com uma boa pesquisa.

O resto vai se encaixando aos poucos, mas quando você vira seu olhar para um sonho, o mundo vira com você. Amigos que souberam da minha vontade me ajudaram bastante. Uma grande amiga me deu a bíblia de volta ao mundo, que recomendo para qualquer pessoa interessada em fazer a viagem, First-Time Around The World do The Rough Guide. Lá, encontrei uma maneira de calcular o custo da viagem que me deixou confortável, já que existem métodos diferentes na internet (no final do texto coloco a fórmula do guia para quem tiver curiosidade).

Outra amigona me passou o blog de uma conhecida que estava no meio de uma RTW. Foi essa amiga em comum que me apresentou o couchsurfing, uma organização não-lucrativa onde viajantes se hospedam gratuitamente na casa de pessoas locais para vivenciar melhor a cultura do país. Virei fã da organização e aprendi muito com surfistas de sofá que ficaram em minha casa. Foi também essa amiga viajante quem respondeu várias das minhas perguntas existenciais (“quantos sapatos você levou na sua viagem?”).

Uma prima me enviou um texto sobre como levar dinheiro em viagens internacionais, um colega de academia me ofereceu um lugar para ficar em um dos países, vários me deram dicas valiosas sobre lugares que visitei, ou marcas de repelentes que funcionam. Muitos deles, inclusive uma ex-estágiara super porreta, participaram da minha vaquinha de aniversário para a viagem, o que foi a salvação para aqueles custos de última hora que são impossíveis de prever (sacos a vácuo para fazer com que tudo caiba na mala, por exemplo).

A verdade é que você irradia boa energia quando luta por seus sonhos, e as pessoas ao seu redor tendem a refletir esse sentimento. Todo mundo te ajuda de alguma maneira e isso também é uma reposta àquela pergunta que os viajantes de longas jornadas trazem no íntimo: e se acontecer alguma coisa lá fora e eu precisar de ajuda? Bom, baseado no que eu tenho vivido até aqui, só posso adaptar um pensamento de Aldous Huxley, “na dúvida, sempre julgue que as pessoas são mais [bacanas] do que você pode acreditar.”

Cálculo para custo de viagem RTW (volta ao mundo) de acordo com o The Rough Guide:

. Viajante Baixo Orçamento: US$40,00/dia em países desenvolvidos, US$15,00/dia em países não desenvolvidos.

Esse tipo de viagem low-cost significa: dormir em quartos com outros viajantes em hostels, dividir quartos em hotéis super baratos, acampar, escolher trajetos noturnos para dormir em trens ou ônibus. Comer comida mais barata comprada em supermercados, pedir os pratos mais baratos nos menus de restaurantes acessíveis ou optar por “comida de rua.” Sem baladas (clubbing em boates), mas saindo para tomar uma cerveja ocasionalmente. Visitas a museus são limitadas e nada de ficar tomando muitos drinques em cafés da moda.

. Viajante de Orçamento Mediano: US$65,00/dia em países desenvolvidos, US$35,00/dia em países não desenvolvidos.

O estilo de viagem desse orçamento inclui: mesmo tipo de acomodações que o viajante de baixo orçamento, ocasionalmente dividindo um quarto somente para duas pessoas com algum viajante. Alguns drinques em cafés da moda são permitidos. Museus não são limitados, mas atividades de aventuras são. Noites de clubbing são permitidas, mas não mais que uma bebida cara (vinho, capuccino etc) por dia.

. Viajante com Orçamento Alto: US$ 125,00/dia países desenvolvidos, US$ 65,00/dia para países não desenvolvidos.

Esse tipo de viagem com upper-cost significa: hotéis acessíveis porém mais bonitinhos (pousadinhas, bed & breakfast) ou quartos privados em hostels. Idas a cafés são ilimitadas, saídas com consumo de bebida liberada (bares por exemplo) 2 a 3 vezes por semana e um restaurante decente uma vez por dia.

Sites interessantes para viajantes:

www.railsaver.com – Calcula os tickets de trem mais baratos ou mais convenientes (depende da sua preferência) na Europa. Você pode colocar todo o seu itinerário e ele calcula para você.

www.seat61.com – Site com informações de trem do mundo inteiro. Precisa saber quanto tempo demora de uma cidade a outra da China? Ou qual a malha ferroviária da Tailândia? Ou como pegar o trem só para moradores locais e ir de Cairo a Luxor no Egito? Lá tem tudo.

www.mitfahrgelegenheit.de – Site de carpooling (carona) na Alemanha. Tem variações para a Europa toda. Você diz onde está e para onde está indo e pessoas neste trajeto te darão uma carona por um rashids de combustível.

www.edreams.com, www.expedia.com e www.farecompare.com – Os três melhores sites (em ordem decrescente) para achar passagens aéreas baratas no mundo. (Achei Madrid-Marrakech por 30 euros em um deles).

Livros Inspiradores (com dicas do que ver e fazer):

As Melhores Viagens do Mundo da Publifolha com introdução de Craig Doyle – Esse livro divide as melhores viagens por mês, dando uma panorama geral do que está acontecendo no mundo naquela época (em termos de clima, por exemplo) e dividindo os destinos mensalmente de acordo com categorias de viagens: “Festivais e Cultura” (festas que acontecem naquele mês), “Viagens Inesquecíveis” (fazer um cruzeiro no rio Nilo, por exemplo), “Maravilhas Naturais”, “Luxo e Romance” (ficar no hotel de gelo da Suécia), “Esportes e Aventuras” (escalar o Kilimanjaro na Tanzânia) e “Programas para Famílias”. Fica bem fácil planejar as férias, quando você sabe que só tem 15 dias em outubro, por exemplo. O livro também dá dicas legais de comida, estadia e até em que horário chegar para aproveitar melhor um templo budista na Ásia.

As Viagens Mais Fantásticas do Mundo também da Publifolha com prefácio de Bill Bryson – O livro dá muitas dicas do “lado B” do mundo, oferecendo opções não tão óbvias em várias categorias: “Lugares Antigos e Históricos” (ex: Machu Picchu no Peru vs Isla del Sol na Bolívia), “Festivais e Festas” (ex: Carnaval de Escola de Samba no Rio vs Carnaval de Salvador), “Grandes Jornadas” (ex: viajar pela Rota 66 nos EUA vs pela Rodovia 15 no México), “Marcos Arquitetônicos” (ex: Torre de Pisa na Itália vs San Gimignano também na Itália), “Maravilhas da Natureza” (ex: Grand Canyon no Arizona/EUA vs Bryce Canyon em Utah/EUA), “Praias” (ex: Waikiki no Havaí/EUA vs Hulopoe, Lanai no Havaí/EUA), “Esportes e Atividades” (ex: surfar em Bondi Beach na Austrália vs surfar em Soup Bowl em Barbados), “Arte e Cultura” (ex: festival de cinema de Cannes na França vs o de San Sebastián na Espanha) e “Cidades” (ex: Cairo vs Alexandria no Egito).

Sobre a Passagem de Volta ao Mundo:

O que é: a passagem de volta ao mundo é uma modalidade oferecida por grupos de companhias aéreas que tornam o feito possível. Isto porque dificilmente uma única empresa vai operar voos por todas as cidades e todos os continentes que você quer visitar. Juntando mais empresas no pacote a empreeitada fica viável. Você monta o roteiro e compra tudo de uma vez só, independente do voo ser operado por esta ou aquela companhia aérea.

Quem vende: as alianças de companhias aéreas, como Star Alliance, One World e Sky Team, por exemplo.

Como funciona: de maneira geral a passagem tem uma validade mínima de dez dias e máxima de um ano. Você precisa emitir no país da partida. O trajeto deve começar e terminar no mesmo país (não necessariamente na mesma cidade), e todo o roteiro deve estar programado na hora da compra. Como isso não é tão simples, uma agência pode te ajudar e algumas empresas, como a Star Alliance, deixam você simular o trajeto no site (minha experiência, faça com a agência se você for para muitos países, fica bem mais fácil achar os voos corretos e maximizar os lugares visitados seguindo as regras da RTW e o tipo de passagem já comissiona a agência, então você não terá que desembolsar nada).

Ao montar o roteiro da viagem, você precisa ter em mente as regras de cada empresa. Cada uma tem um número mínimo e máximo de trechos e várias categorias de milhas a serem percorridas, o que vai determinar o preço do bilhete. Outra regra fundamental: você precisa sempre voar na mesma direção, para dar efetivamente uma “volta ao mundo”. Não é permitido voar sobre um mesmo oceano no sentido oposto, por exemplo.

Quanto custa uma passagem de volta ao mundo: o preço vai depender sempre do trajeto escolhido, pois o número de milhas é que vai definir o valor. Os preços começam por volta dos 3 mil dólares, na classe econômica. Minha passagem, a mais cara e completa da Star Alliance na classe econômica, custa US$ 5.450 (permitindo 15 paradas e 39 mil milhas percorridas).

O que é bom saber antes de escolher: principalmente qual o pool de companhias aéreas vai servir melhor a região onde você vai focar. Isso vai depender das empresas que fazem parte da aliança. Por exemplo: a Star Alliance tem, entre seus membros, a Air China, a Thai e a Singapore Airlines, o que a torna uma ótima opção para a Ásia.

Pequeno cronograma para orientar seu planejamento da volta ao mundo:

1. Com 1 a 2 anos de antecedência: Reveja suas finanças e comece a economizar

2. Com 1 ano de antecedência: Faça um cartão de débito “Travel Money” e recarregue-o com dólar toda vez que a cotação abaixar

3. De 8 a 12 meses de antecedência: Compre livros inspiradores e esboce seu itinerário dos sonhos (sugestões: As Melhores Viagens do Mundo da Publifolha)

4. Com 6 a 4 meses de antecedência: Entre em contato com uma agência de viagens. Ela te ajudará a escolher a melhor passagem RTW – passagem de volta ao mundo – maximizando os trechos de acordo com as regras da companhia aérea escolhida

5. Com 6 meses de antecedência: Visite um médico especialista em viagens e tome as vacinas necessárias. Algumas exigem mais de uma dose

6. Com 6 a 4 meses de antecedência: Verifique as exigências de visto para os países visitados

7. Com 4 meses de antecedência: Comece a comprar itens específicos para a viagem. Peça os que faltarem de presente de aniversário, Natal, etc.

8. Com 2 meses de antecedência: Compre sua mala ou mochila de viagem, coloque tudo dentro e tente caminhar para ver se está confortável

9. Vá. A vida é muito curta.

intro-e-assinatura-pessoal-blog

Anúncios

15 comentários em “Tá, e como faz para dar a volta ao mundo?

  1. Pingback: A imaginação é o melhor combustível para a vontade de viajar! | Giros Por Aí

  2. Pingback: Arte de rua e viagem, tudo a ver! | Giros Por Aí

  3. Pingback: Viajando pela Índia em um dos Trens Mais Luxuosos do Mundo | Giros Por Aí

  4. Pingback: 6 Dias em Fernando de Noronha: o paraíso é aqui! | Giros Por Aí

  5. Pingback: Na Estrada Novamente | Giros Por Aí

  6. Pingback: Coisas que eu queria ter sabido antes da volta ao mundo: DICAS para quem planeja uma RTW | Giros Por Aí

  7. Pingback: Sul da Espanha: adeus Europa! | Giros Por Aí

  8. Pingback: Baladas Madrileñas | Giros Por Aí

  9. Pingback: Sudeste da França (Lyon, Avignon, Montpellier) | Giros Por Aí

  10. Pingback: Áustria: visitando Viena e Salzburg | Giros Por Aí

  11. Pingback: Sul da Itália (Nápoles, Sorrento, Capri, Catânia) | Giros Por Aí

  12. Pingback: Os cinco pratos mais estranhos que provei em minha volta ao mundo | Giros Por Aí

  13. Pingback: Tudo o que você precisa saber para escalar o Kilimanjaro | Giros Por Aí

  14. Pensei num post inspirador: foi esse. Assim como letícia também sou Capixaba, e amante de viagens. Em breve estou partindo para Portugal, lugar esse que será de partida para minha volta ao mundo. Pensa na ansiedade.

    • Que legal, Patrick! Eu estou morando em Lisboa, então se precisar de algo, me envie um e-mail… Abraço e boa viagem!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: